fbpx

Como organizar seu orçamento

Uma das grandes dificuldades dos psicólogos que trabalham por conta própria é o controle financeiro. A organização das finanças para autônomos é um pouco diferente do que para um assalariado. Pode parecer complicado uma vez que seus recebimentos, além de diferentes, não chegam todos no mesmo dia do mês.

No entanto, para ter sucesso é necessário seguir uma série de cuidados e controle financeiro pessoal.

É fundamental tratar seu trabalho como uma empresa e se preparar para picos de consumo (ou ausências) sazonais. Por isso, elaboramos algumas dicas para colocar as finanças em ordem e ficar preparado pro caso de fechar um mês no vermelho.

Separe as finanças pessoais e profissionais

Essa é uma dica clássica que poucos seguem e que na verdade fará toda diferença no seu sucesso financeiro. É um dos principais motivos pelo qual os profissionais autônomos se endividam.

Quando você tem seu espaço, sua sala, sua clínica, sua rotina de trabalho demanda custos, como aluguel de um espaço, custos com água e luz, transporte, compra de materiais de consumo, contratos com fornecedores, etc. Distinguir custos pessoais dos profissionais vai ajudar também na parte burocrática. Na hora de declarar o imposto de renda, você facilita a sua vida ou a do seu contador.

Hoje em dia existem muitos bancos digitais onde é possível abrir contas de Pessoa física e Jurídicas sem custos mensais. E caso você não tenha um CNPJ abra duas contas de pessoa física para manter o controle.

Só depois de fazer essa organização é que sua renda pessoal se viabiliza. Porque, conhecendo a saúde do negócio, o autônomo pode determinar seu lucro e definir uma média salarial. E isso está diretamente relacionado ao nosso próximo tópico:

Calcule os custos fixos pessoais e profissionais

Agora é o momento de analisar e entender quais são os custos fixos mensais, como aluguel, internet, telefone, entre outros. Veja o que realmente é necessário e o que é supérfluo nos dois casos. Aproveite esse passo para cortar alguns itens e já fazer economias.

Algumas contas são variáveis, como água e luz, calcule a média dos últimos meses apenas de maneira ilustrativa para se preparar, mas não esqueça de atualizar os valores quando as contas chegarem.

Com as despesas definidas, separe mensalmente a quantia necessária para arcar com esses gastos.

Uma ação simples que você pode fazer é calcular quantos atendimentos terá que fazer para arcar com esses gastos.

Descubra quanto é seu salário

Como assim salário? Sendo um profissional autônomo é comum acharmos que não teremos um salário, mas a verdade é que devemos ter sim!

Se você realmente considerou que seu trabalho é uma empresa, logo você é seu funcionário (ou sócio, ou diretor, etc.) então terá direito a receber por isso.

Essa brincadeira é o primeiro passo para um planejamento financeiro, algo que nos trás bastante medo de encarar, mas que é fundamental para alcançar seus objetivos.

Sei que a oscilação das receitas traz uma sensação de incerteza, mas com um pouco de preparação e uns pequenos macetes dá pra superar com tranquilidade.

Antes precisamos entender 2 conceitos: Faturamento máximo e Faturamento mensal.

Faturamento máximo: É um número absoluto, que não muda com o passar dos meses. É o valor máximo que o psicólogo pode ganhar, se estiver com a agenda lotada.

Faturamento mensal: É efetivamente o que foi recebido naquele mês.

Vamos imaginar o seguinte cenário: Uma psicóloga que fez 80 atendimentos num mês ao custo médio de 120 reais. Totalizaria 9600 reais e esse seria seu faturamento máximo. Mas sabemos que não será em todos os meses que esse número vai ser alcançado.

Se você não tiver ainda 12 meses de atendimentos para traçar uma média mensal, vamos considerar uma oscilação de 15%.Com base nesse cenário, a média de faturamento mensal é R$ 8160.

O psicólogo que tem como média R$ 8160 não pode considerar este valor na hora de pensar nele como seu salário, porque nos meses mais fracos, terminará com a conta no vermelho.

Uma boa prática é pegar esse valor médio e aplicar novamente uma porcentagem sobre ele. 75%, por exemplo, é um bom valor. Tomando o valor que utilizamos acima como base: R$ 8160 * 75% = R$6120. Esse então seria seu salário.

Ah! Mas e os 25% que “sobraram”? Eles vão ser guardados na conta bancária da empresa para te ajudar nos meses mais fracos ou em caso de emergências.

Faça um fundo de emergência

Apesar de já termos cortado vários percentuais nos exemplos acima eu ainda direi que é preciso deixar mais um pouco na conta. Isso vale tanto para fazer uma reserva pessoal quanto profissional. Essa é uma das principais dicas de finanças para autônomos, pois como os ganhos são variáveis, é muito importante ter um respaldo.

Quando comecei a criar meu fundo de emergência queria que ele cobrisse 6 meses de todas as minhas despesas por segurança. No final das contas ele cobria 33 meses de despesas. É difícil começar, mas depois fica até bem divertido.

Tenha seu capital de giro

 

Capital de giro é essencial para fazer uma empresa rodar, sendo basicamente o valor representado pelos itens de consumo rápido, necessários para operar. Se você tiver funcionários, também terá de se preocupar em pagar o salário deles em dia. Por isso, esse dinheiro se torna tão importante para não depender apenas das entradas de caixa.

Nesse ponto, é extremamente necessário já ter um fluxo de caixa devidamente organizado. Dessa forma, o psicólogo tem um planejamento das despesas a pagar e sabe quanto dinheiro precisa ter em caixa para que consiga honrar os compromissos.

E, com isso, se programe para os fins de ano. Geralmente, nesse período são pagos: 13º salário, férias e diversas bonificações.

Inclua as férias no seu planejamento

Trabalhar os 12 meses do ano, ininterruptamente, sem descansar é muito ruim. Dar uma pausa no trabalho é fundamental para a saúde, além de ser uma ótima maneira de aumentar a produtividade e voltar com mais gás para a sua profissão.

Quem trabalha por conta própria precisa incluir esses momentos no planejamento também. Na hora de planejar suas finanças pessoais, inclua os gastos com as férias, considerando uma viagem e a diminuição de receita.

Guardar dinheiro só para não usá-lo também atrapalha!

Utilize um gerenciador financeiro

 

Não poderíamos deixar esse ponto de lado. Tudo isso acima pode ser feito em uma planilha, mas se você considerou complexo ou difícil saiba que estamos aqui para ajudá-lo nessa tarefa e em muitas outras, use a tecnologia a seu favor.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook